3 de jan de 2011

"Uma linda mulher", versão (babaca) nacional

 Foi só a mulher de Temer, Marcela, aparecer na televisão para começarem a desqualificar a moça. Não entendo se é inveja dele ou dela, mas é algo chato de se ler. Daí eu pergunto o que as pessoas tem com a vida deles? Automaticamente, Marcela Temer foi classificada como aproveitadora (para não usar as palavras com que muitos "entendidos" a tem qualificado)  por causa da diferença de idade entre eles e/ou o bolso dele – como se todos os que comentam sobre sua beleza e o provável uso dela soubessem de sua história bancária antes do casamento. Novamente, o que alguém tem com isso? Sendo ela mais nova significa "com certeza absoluta" que ela só se interesse pelo dinheiro do marido? O mundo pode evoluir mas as pessoas não, e o que vemos é um bando de cabecinhas sem qualquer noção ou bom-senso proferindo estereótipos gastos, vistos principalmente nas novelas, aquelas que "ninguém assiste". Se você é partidário dessa opinião, uma dica: Pare de assistir novela. Essa praga está invadindo sua mente. Nem toda moça mais nova se apaixona pelo "velho" por causa de dinheiro; a vida real meus amigos, é bem diferente.
                A gente precisa entender que nem todos pensam da mesma maneira. Se você se casaria com alguém por grana, não significa que todas as pessoas do mundo tenham coragem – ou cara de pau -- de fazer o mesmo. A vida é muito fácil quando limitamos a nossa visão torta e podre... Nem todos são iguais.
                O que mais me chateou foram as mulheres... Óh, as mulheres tão comprometidas com sua causa (oi?), questionando a integridade de uma mulher que nem conhecem. Outras foram além e catalogaram a feiúra... Comparando primeiras damas de Estados com a beleza de Marcela. E quando digo que mulher bonita carrega o estereótipo de burra, pistoleira e prostituta muitos dizem que é uma inverdade, mas daí basta surgir a oportunidade para o pensamento encruado dos folhetins aparecer.
                Dome seus preconceitos, tire a viseira e imagine se fosse com você. Quando é com a gente o preconceito, a coisa é diferente... O mundo precisa mudar, o pensamento dos outros é absurdo e o planeta está beirando a loucura geral.
                Preconceito é uma merda e quem cataloga os outros é porque tem dificuldade absurda de alcançar o espelho. Não se reprima, suba em um banquinho e se olhe, cure seus preconceitos, coloque saia curta e seja tratada como um pedaço de bife, use tatuagem e seja tratado como bandido, maquie-se negro e veja os outros atravessando a rua, ande de cadeira de rodas e veja as pessoas olhando torto porque você está atrapalhando o caminho, ou se case com alguém mais velho e com dinheiro... Você será tratada como aproveitadora. E não é isso que acontece? Não... Imagina, já evoluímos isso tudo é ironia. ( Aham, sei...)
                Já desconfio que para mudar o pensamento tacanho, deveria ser necessário pedir aos escritores de folhetim que mudassem as tramas das novelas. Mesmo porque "ninguém assiste", não é verdade? Mas o problema não são só as novelas, o problema é de educação, coisa cultural no País do carnaval. Logo lemos textos sobre a "cama e o poder" nos grandes veículos de comunicação, provavelmente farão pesquisas importantíssimas para levantar quantas pessoas se casam com parceiros mais velhos, daqui a pouco vão entrevistar o cabelereiro de Marcela Temer ou ainda achar alguém para fazer uma grande revelação bombástica, que não vai mudar a economia do Brasil, sobre o passado da moça. 
             Triste, né? Pois, imagine se fosse com você! 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Livre para opinar, mantendo a educação..