14 de out de 2009

As escolas itinerantes, o MST e as crianças

*imagem retirada do "pai google"


As escolas itinerantes foram fechadas aqui no RS em fevereiro, com isso abriram - se vagas para as crianças dos acampamentos dos Sem Terra em escolas regulares, porém não houve interesse e mais de 600 crianças foram "prejudicadas". - Agora, imagine você cidadão que paga seus impostos, que não recebe nada de graça do governo a não ser escola para seus filhos. Se você, quiser viver em um acampamento a obrigação é sua de levar seu filho para a escola, ou ao menos conduza seu rebento ao transporte escolar. Ao invés disso, você não leva seus filhos para a escola mas os leva, em frente ao palácio do governo para protestar contra o fechamento das escolas itinerantes, quase no final do ano letivo!
O que quero dizer com isso? Se você, escolher passar toda a sua vida de acampamento em acampamento, não vai existir uma professora do estado a disposição dos seus filhos para o estudo, mas com os filhos dos sem terra é diferente, sabem pq? É essa cultura, de "quero terra, mas não quero pagar... O Estado deve me dar!"
Eu pergunto aqui, quem já viu os sem terras agindo? De perto, no seu trabalho? Eu já vi! Lembro - me com perfeição... Chegava eu, na Secretaria de Educação do Estado pelas 7:00 da manhã, quando me deparei, com mais de 5 ônibus estacionados dentro do centro administrativo e as portas obstruídas, impedindo a entrada dos funcionários. Pois é, naquele dia, escutei palavras de baixo calão... Tanto dos adultos quanto das crianças, eu só estava lá para trabalhar e consegui entrar 1 hora depois do horário normal do expediente! A coisa piorou, quando colocaram música e começaram a berrar no microfone, eu ficava me questionando: como eles tinham aquela aparelhagem toda... É de dar inveja nas bandas! Pois bem... É difícil, trabalhar com barulho no ouvido e ter que sair do prédio para ir em outras secretarias é inviável, ao menos que você tenha sangue de barata ou seja muito "zen", mas eu não sou... Então evitava sair, para não escutar no microfone os absurdos que falavam para todos os funcionários que passavam pela "passarela" na SEC.
Chega a hora do almoço e a alternativa foi almoçar no restaurante dentro do centro administrativo. Depois do almoço, existe um tempo para descansar... Já que ninguém almoça durante 1 hora e meia. Eu e alguns colegas fomos sentar nos banquinhos do estacionamento, pós almoço ... Eis que escuto de um sem - terra: "Vai trabalhar! Tá fazendo o que aqui ?" Não aguentei e gritei perguntando pq o filho dele não estava na escola e estava protestando. Automaticamente, se aproxima uma policial muito simpática, e diz para eu não responder, pq estava "incitando o pessoal". Recolhi minha raiva e fiquei em frente aos papéis da minha mesa esperando o expediente da tarde começar.
No início desse ano, quando soube que as escolas itinerantes foram fechadas, juro que vibrei! Sabem pq? Pq não existe lei que diga que filho de sem terra, precisa ser sem terra durante toda a vida! Não existe lei que diga que os filhos dos sem terra não possam conviver com outro tipo de criança. Ir a escola, fazer o trajeto, estudar o que se estuda e não tática de batalha ou apologia a partido político... Isso é estudar! Mas daí, depois de ler o jornal, vejo que fechar as escolas itinerantes não foi visto como caminho para outra "vida", pq simplesmente as crianças não foram a escola. Vão culpar o Estado? Vão sim! Mas a culpa real é de quem? Dos pais... Que pariram essas crianças e querem continuar o ciclo de destruição e sangue por onde passam! Dos pais sem terra, que não vão permitir que seus filhos estudem e quem sabe sejam mais que sem terra! É dos pais, e não do Estado, nem da sociedade... É dos pais e do PT que durante anos nutriram de ódio e apologia esse movimento e hoje simplesmente está desgovernado! As crianças... São só massa de manobra do PT, sempre foram e sempre vão ser. Se Tarso Genro ganhar o Governo do Estado por aqui, ninguém vai ganhar terra, mas daí eles protestam de forma pacífica! MST politizado? Não! MST sem fundamento!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Livre para opinar, mantendo a educação..